13.2.06

STONEMANIA

É engraçado que como qualquer vinda de astro internacional se transforma num grande evento. Não falo isso só no caso dos Stones, não! É pra tudo!

Me lembro que há cerca de um ano atrás, quando anunciaram a vinda de um tal de Lenny Kravitz pra um show na praia muita gente nem conhecia o sujeito, mas como era de graça, um negão gringo cantando e tava em todas as mídias... A praia lotou!

Como amante de um bom roquenrou, é claro que me empolguei quando soube que os Stones voltariam a terras tupiniquins. Só não me animei tanto quanto há 12 anos atrás, quando eles anunciaram sua primeira vinda. Me lembro como se fosse hoje...

Era uma época em que os grande shows rolavam no Maracanã e Apoteose. O Rio de Janeiro era passagem obrigatória pras grandes bandas internacionais. E, para comprar meia você tinha que ter carteirinha e comprar apenas na UNE!

Me lembro do anúncio em maio e da minha ida pra comprar ingressos no primeiro dia de setembro. Nem enfrentei fila. Cheguei na UNE com um amigo meu e comprei os ingressos. Fui ao Maraca e enontrei gente lá. Assiti Rita Lee, Barão Vermelho e Spin Doctors antes do show. Senti o calor do fogo que saía da boca da serpente que decorava o palco da tour Vodoo Lounge.

Isso sem tumulto.

Vi os Stones duas vezes, vi o Paul, vi Guns, Madonna, Clapton. Cheguei a comprar mas não fui ver o U2 na primeira vez deles aqui... Tudo isso na maior tranquilidade... Ou melhor, na gitada correria que um show desse porte permite, mas sem maiores stresses.

Agora, não me conforme em ter que ver tudo a milhões de quilômetros de distância, mesmo estando numa casa a um quarteirão do palco. Me recuso a ficar num local onde pessoas que nunca ouviram falar no Mr. Jagger & Cia. estarão se matando pra dizer que foram ao evento.

Não é preconceito, não!

Acho que o povão tem mesmo direito de ver tal show. É um espetáculo único que merece ser aproveitado, mas a forma como isso vem sendo vendido vem me dando certo medo.

Tenho medo do que pode acontecer ao misturar pessoas de todas as classes, de todos os gostos num evento desse porte.

Ok, ok... É na praia, um local democrático. O único local onde pobres e ricos se misturam numa boa. No mesmo local onde 2 milhões de pessoas se aglutinam pra ver os fogos no reveillon... Não pode dar errado.

Gringos no carnaval? Tranquilo! Tumulto em show na praia? Tranquilo! Vendedores ambulantes? Tranquilo!

Se tudo isso é tranquilo... O que estou temendo? Tô sendo egoísta?

Bom, que Deus me perdoe e São Sebastião cuide de todos! Ah! Que São Pedro também dê uma forcinha...

No fim, pode rolar tumulto, mas "it´s only rock´n´roll but I like it!".

Ao som de Substitute, com The Who.

Um comentário:

FaNa disse...

Mas vc já aproveitou a época boa... :)