19.1.06

O ROQUENROU TAMBÉM É LUGAR DE PROTESTO

Engraçado... Não sabia que o meu humilde blog era lugar tão visitado na internet...

Só percebi isso quando, sem saber fui indicado ao Blogstars (o link pra votar nele tá aí do lado!) e recebi selo de Qualidade em Blogs.

Mas ontem, depois de publicar o texto abaixo sobre a desorganização de vendas de ingressos para o show do U2 no Brasil, recebi um e-mail de um grupo de fãs que leu o meu post, parabenizou o mesmo e me enviou esse protesto que eu acho legal postar aqui pra vocês!

17 de janeiro de 2006.

Foram 8 anos de espera para que nós, fãs da banda U2, pudéssemos ter novamente o gosto de um show deles em nosso país.

Quando os boatos sobre a apresentação começaram, no final de 2005, tudo o que fazíamos era rezar para que os shows se confirmassem , agradecer às pessoas que se empenharam em trazê-los e, acima de tudo, sonhar em ter o ingresso na mão.

Da noite para o dia, centenas de comunidades foram criadas no orkut, jornais publicaram a possível vinda da banda ao Brasil e os planos começaram a ser traçados.

Porém, a "confusão" começou quando houve a confirmação dos shows e anunciaram os preços dos ingressos: R$ 200, R$300, R$500, R$ 1000 por UM ingresso, e o salário mínimo do brasileiro ninguém pareceu lembrar, de apenas R$300.

Pois bem, diminuíram os preços, deixando-os mais acessíveis. Estava tudo perfeito, não tinha o que dar errado.

No dia 16 de janeiro, nos demos conta de que tinha sim o que dar errado. A incompetência tomou conta das vendas dos ingressos. Quem foi até a rede de supermercados autorizada para a venda, esperou horas e horas embaixo de sol forte nas filas quilométricas que se formaram, muitas delas em lugares sem a menor capacidade para a quantidade de fãs que abrigavam, fazendo com que houvesse tumultos e filas paralelas.

Pessoas passaram mal, outras cortaram fila, pediram para que conhecidas grávidas fossem até a fila e, por lei, passassem na frente de todos os outros que estavam esperando há horas, outros vendiam lugares, outras fingiam estarem grávidas, cambistas compravam o limite máximo para venderem por preços absurdos em sites de leilão. Sem contar os sistemas dos supermercados que saíram do ar, a intervenção da polícia em um ponto de venda no Rio, que chegou a fechar o local e reabrir minutos depois, e as milhares de fãs que voltaram para casa sem o ingresso na mão.

Já os que optaram por efetuar a compra pela internet, uns porque não moram nos Estados que tinham pontos de venda, outros porque não tinham condições de esperar em filas, não conseguiam acessar o site que já estava fora do ar horas antes do horário marcado como oficial para o início da venda.

O site, que a grande maioria dos fãs não conhecia, colocava em sua página inicial constantemente um aviso de que a quantidade de acessos simultâneos estava sendo moderada para que pudessem manter a integridade do mesmo, hora anunciava 2 mil acessos, hora 25 mil, e mesmo assim, ninguém conseguia acessá-lo e muito menos efetuar a compra.

Mais tarde, quando anunciaram que os ingressos haviam acabado, o site entrava com mais facilidade e algumas pessoas conseguiram o ingresso, mas, a alegria durou muito pouco, na manhã do dia seguinte, receberam uma mensagem de que a compra não havia sido efetuada.

Depois de tudo, como fãs da banda, não podemos simplesmente cruzar os braços e aceitar isso. Não podemos aceitar a falta de consideração dos organizadores, e dos responsáveis pela venda dos tão sonhados ingressos. Não podemos nos calar diante de uma afirmação absurda de que não esperavam que a procura pelo show fosse tão grande, MUITO menos de que as vendas transcorreram normalmente, porque não somos burros e estamos cientes de tudo o que se passou.

Estamos ofendidos, não só como fãs que ficaram sem ingresso, mas também como seres humanos que, após serem ridicularizados com a falta de competência alheia, nem um pedido justo e honesto de desculpa recebemos.

Esperamos ter o nosso lado divulgado por meios imparciais e não depender somente de páginas como o Orkut e fóruns para nos lamentarmos uns com os outros.

Antecipadamente gratos,

Fãs do U2


Ao som de All the Small Things, com Blink 182.

3 comentários:

Cláudio disse...

Dantas,
Obrigado por divulgar a nossa mensagem.
Realmente é um desrespeito com nós fãs. Entendi o que você quis dizer.
Pago o preço que for pra ver o U2, mas concordo que é abusivo mesmo.
Um abraço

Odilon disse...

Com certeza o seu post abaixo foi um dos melhores, se não o melhor, já publicado aqui no Roquenrou. E olha que nem era sobre o Macca ou Pearl Jam.

E por falar em Pearl Jam, meu caso é o contrário pois o U2 faz mais a minha cabeça. Todavia acho que você resumiu bem a questão. Poderia ser o show da Ivete Sangalo, da banda Calypso ou do Babado Novo mas desrespeito é foda e não importa quem está se apresentando ou o público.

Fica a minha dúvida: Mick Jagger e cia tocarão de graça mesmo ou não tem verba da prefeitura nisso?

E remonto a velha entidade criada pelo economista Edmar Bacha no qual ele chama o Brasil de Belíndia, a mistura de Bélgica com India. E tome (falta de) pão e circo.

O estranho sem nome disse...

Ih parceiro... To fora de tumulto. Não enfrentaria nem se Jim MOrrison ressucitasse.
Passa lá no blog que eu coloquei uma parada nova. Abração